Tensão Global: Rússia considera posicionar armas nucleares em Cuba, Venezuela e Nicarágua

Vídeo: Rússia posiciona novo sistema de mísseis Avangard com capacidade nuclear

A Rússia deve colocar suas armas nucleares em “países amigos” perto dos EUA em resposta aos supostos planos de Washington de mover suas próprias armas táticas para a Europa, sugeriu o legislador Aleksey Zhuravlev.

+ Vídeo: Bombardeiros estratégicos capazes de carregar armas sobrevoam o mar do Japão

Vídeo: Rússia realiza exercício simulando um ataque nuclear com míssil balístico intercontinental

Seus comentários vieram depois que o The Telegraph informou no sábado que os EUA estão procurando implantar suas armas nucleares no Reino Unido pela primeira vez em 15 anos, a fim de combater uma suposta ameaça crescente da Rússia.

Em uma postagem no Telegram, Zhuravlev, que é primeiro vice-presidente do comitê parlamentar de defesa russo e líder do partido Rodina (Pátria), destacou que o Reino Unido tem suas próprias armas nucleares e que os EUA já implantaram parte de seu arsenal atômico em vários países europeus próximos à Rússia.

No entanto, o político sugeriu que Moscou deveria considerar implantar suas próprias armas nucleares mais perto dos EUA e enviá-las para “países amigos como Cuba, Venezuela e Nicarágua”.

Zhuravlev admitiu, no entanto, que os sistemas de armas deram um grande salto nos anos desde a Crise dos Mísseis Cubanos de 1962. “Os mísseis hipersônicos russos lançados de nosso território chegariam aos EUA mais rápido do que os subsônicos lançados do subsolo americano”, escreveu o parlamentar.

Ele também destacou que a Rússia tem aviação estratégica, bem como um vasto arsenal de submarinos estacionados em locais desconhecidos ao redor dos oceanos do mundo.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia já havia alertado que Moscou seria forçada a decretar “contramedidas compensatórias” no caso de ogivas nucleares americanas retornarem ao Reino Unido. A Rússia também acusou repetidamente o Ocidente de alimentar as tensões na Europa e citou a contínua expansão da Otan para o leste como uma das causas profundas do conflito na Ucrânia.

(Com informações da rt)

Foto: Ministério de defesa da Rússia

  • arrow